05
Jan 09
publicado por Simão Martins, às 00:24link do post | comentar

 

 

Azmi Keshawi, jornalista palestiniano. Vive na Cidade de Gaza e é diabético. Já só tem uma injecção de insulina. Tem dois filhos doentes, em casa. Deixa as janelas abertas, porque se explodir uma bomba demasiado perto, os vidros podem partir-se e os estilhaços ainda ferem alguém. Além disso, não há vidro no mercado. "Não há o que comer. Não há electricidade, e não havendo electricidade não há água. Não há gás.”

 

 

Mohammed al-Majdelawi, trabalhador duma ONG e documentarista, desabafa: “É difícil tentar explicar todo o nosso sofrimento. Eu pergunto ao mundo: como viveriam sem electricidade, com casas destruídas, mísseis a cair noite e dia, e sem comida. Imaginem as vossas crianças a dizer que não conseguem dormir por causa do barulho dos aviões....”

 

Azmi Keshawi sentencia: "Esta guerra não é contra o Hamas. É contra os palestinianos de Gaza. Toda a gente tem medo. É uma situação sem precedentes. Já vi muitos confrontos entre israelitas e palestinianos. A cada vez, a onda de violência é maior do que a anterior. Mas esta é a maior de todas, sem comparação. Levaram isto a um nível diferente. Estima-se que de 480 mortos 25 por cento são mulheres e crianças e que dos 3800 feridos 40 por cento são civis.

 

 

Contra quem é esta guerra?”

 


 

Artigo completo de Maria João Guimarães, no Público Online


Ler
pesquisar neste blog
 
arquivos
blogs SAPO