06
Jan 09
publicado por Fábio Matos Cruz, às 23:19link do post | comentar

 

 

 

 

R    E    C    E    S    S    à   O.


Engraçado como pareces fazer disso uma conquista tua.

Queres brindar?
Simão Martins a 6 de Janeiro de 2009 às 23:43

Aliás, engraçado como toda a oposição vai bradar essa sua conquista! Afinal sempre tinham razão, ao contrário do que o governo ia dizendo.

Sabes, o bom deste governo (e cujo calcanhar a paupérrima oposição não consegue sequer alcançar) é que, ao chegar ao poder, deparando-se com um défice acima do dobro do permitido pela União Europeia na qual estamos integrados, não se pôs a saltar com todos os seus intervenientes de mãos dadas. Não. Agiu!

Creio que aqui, perdoa-me, mas a tua atitude em nada é diferente à dos anormais que figuram na oposição a este governo, principalmente a José Sócrates, principalmente num momento tão difícil!
Simão Martins a 6 de Janeiro de 2009 às 23:53

A oposição parece congratular-se com a entrada em recessão de Portugal. Tenho pena de pertencer a um país em que isto acontece. É triste alguém usar isto como uma vitória. Hoje realmente só me apetece dizer que Portugal é um país de pernas para o ar. Não chega mudar os deputados, antes é preciso mudar as mentalidades e isso parece impossível. Eu preferia que me apresentassem medidas que possam combater a recessão. Vitoriarmo-nos com ela é ser antipatriota. Eu não sou desses. Pelo contrário.
André Pereira a 7 de Janeiro de 2009 às 00:05

Numa altura destas, não é de anti-patriotismo que falamos. Mas sim de mesquinhez. Orgulho.

Não sei é bem de quê.
Simão Martins a 7 de Janeiro de 2009 às 00:18

Julguei que não seria necessário justificar o post, até porque a intenção é óbvia, mas, a avaliar a chuvinha de comentários, vou fazê-lo.

Onde raio é que se denota que estou a brindar à recessão? A razão do post é simples: expor a ferida, dizer a palavra proibida. A palavra proibida que os malandrecos da Lusa queriam dizer mas não disseram porque levaram a palmadinha a tempo; a palavra proibida que Teixeira dos Santos diz que afecta aos outros países e que Portugal "sofre do mesmo".

Brindar a uma recessão é grotesco. E é também grotesco sugerirem que o faça.

Fábio Matos Cruz a 7 de Janeiro de 2009 às 01:57

E para quê continuar-se no plano das oposições partidárias?

Aqui ninguém representa a oposição à oposição defendida pelo outro. Eu não falo em nome de um partido porque não o represento, muito menos o defendo de ameaças. O que aqui se escreve é o que se pensa. Ideologias, não partidarismos. Já chega de misturá-los. Já cansa.
Fábio Matos Cruz a 7 de Janeiro de 2009 às 02:04

caros André e Simão como é que oito palavritas conseguiram extrair o pior que vocês tem? A RECESSÃO é uma realidade ( infeliz) e a intenção é combate-la e não jogar às escondidas, como se nada estivesse a acontecer. É óbvio que ninguém está contente com o que está a acontecer (nem a oposição) agora fazer de uma questão nacional e internacional, um mero assunto entre partidos é Leviano.
Leonel Gomes a 7 de Janeiro de 2009 às 14:23

Ler
pesquisar neste blog
 
arquivos
blogs SAPO