05
Fev 09
publicado por Simão Martins, às 20:22link do post | comentar

 

 

O filme de que todos falam. Aquele que é apresentado como o grande candidato aos Óscares de 2009 como melhor filme, não merece muito mais do que Melhor Banda Sonora e Argumento Adaptado. Mas que fique bem claro: não é um mau filme! Só não é uma obra-prima.

 

Quem viu Cidade de Deus, de Fernando Meirelles, não se iluda. Este "Quem quer ser Bilionário?" é bastante inferior. Começa por ser um filme com uma intenção de retrato social bem marcada, de início, mas que se vai perdendo no sonho do concurso que todos conhecemos, culminando num "e viveram felizes para sempre" que já teve o seu tempo (não quer dizer que tenhamos que sair do cinema lavados em lágrimas a toda a hora).

 

Apesar disso, é soberbamente filmado, acompanhado de uma banda sonora que assenta numa vertente rítmica que tem na sua cadência o principal ingrediente do filme de Danny Boyle. Mas isso não chega. A história não me deixou particularmente agradado, embora contenha pormenores absolutamente deliciosos.

 

Para mim, a condição essencial para um filme merecer o Óscar é a distinção em relação aos outros pela capacidade de despertar em quem vê os sentimentos mais humanos, mais palpáveis, que é muitas vezes proporcionada por excelentes interpretações. A Turma, de Laurent Cantet ,tem-nos. Milk, de Gus Van Sant, é o melhor exemplo deste ano. Slumdog Millionaire é mais um bom filme, feito a partir de excelentes intenções mas que não alcança as expectativas que me fizeram ir vê-lo.


"Slumdog ..." revisita uma área da cultura, e em especial da cultura popular, onde se verifica uma espécie de "luta de classes", a que contrapõe a "arte pop" à "arte pela arte". em termos de cinema, uma espécie de América/India (as mecas do cinema-espectáculo) vs. Europa. "Slumdog..." assume um lugar na arte que visa o público "mainstream" e exige pouco mais que foco e vivência da história, de facto uma bela história de cordel. creio mesmo que ali encontramos muitas pinceladas das tramas hollywoodescas. ou será que é antes das "bollywoodescas"? é uma história de amor, de procura e desencontro. e é um filme sobre os limites da verdade. mas de facto é um filme para grandes públicos. e isso diminui-o só por si? e no fim o que conta é a experienciação da obra de arte. por mim, tenho de recuar a antes do "Vale de Ellah" e de "Este País não é para velhos" para encontrar filme de igual impacto. e se os actores cantassem, então poderia até ter sido um belíssimo musical. e claro que há ainda a destacadíssima banda sonora, do melhor de há muito. e depois, quem é que antes de Danny Boyle filmou assim a India, esse gigante país das grandes contradições?
Vítor Reis M a 6 de Fevereiro de 2009 às 08:25

Caro Simão

Esta apreciação ao filme tem por base algum estudo da OCDE?

lisboa a 8 de Fevereiro de 2009 às 03:13

Ler
pesquisar neste blog
 
arquivos
blogs SAPO