22
Abr 09
publicado por Alexandre Veloso, às 21:31link do post | comentar

 A saída da jornalista Fernanda Câncio da TVI, onde era um dos comentadores do programa "A Torto e a Direito", da TVI24 não surpreende minimamente para quem vinha acompanhando o programa.

 

 Como é do conhecimento geral Câncio é namorada do actual PM, e este simples facto tornava qualquer comentário que fizesse susceptível às mais variadas interpretações. E muito cedo ficou claro que a presença da jornalista no programa seria curta, porque esta encara o jornalismo de uma maneira diferente da maneira da TVI, de Francisco José Viegas, com quem trocou alguns mimos sobre o que é jornalismo de investigação, de João Pereira Coutinho, com quem trocava azedas palavras sobre a actuação governamental e também de todos os outros que atacassem o Governo e o PM, jornalistas ou não.

 

 Acho que Fernanda Câncio tem toda a legitimidade para fazer as críticas que quiser. Sendo mais virada à esquerda é legítimo que como jornalista manifeste a sua opinião, tal como fazem muitos jornalistas, mais ligados à direita ou à esquerda. Câncio, jornalista que particularmente aprecio pelos trabalhos que faz e pelos livros que escreveu, seria uma comentadora perfeita, se não fosse a "pequena" particularidade de ter uma relação com o PM. Isto a tornava um alvo fácil da crítica e do público, que encarava-a como um elemento infiltrado pelo Governo na TVI, e que estava ali simplesmente para defender o PM, e o Governo, de absolutamente tudo. A forma como não quis responder à questão de FJV, no último sábado, sobre se concordava ou não com as palavras do PR, demontrou a sua fragilidade. Não podia responder que não porque desta maneira seria acusada de ser parcial e de "tomar as dores do PM", mas também não podia responder que sim, porque iria contra tudo que vinha defendendo, e ficaria mal perante JS, porque este certamente iria dizer que não entendia, como acabou por dizer.

 

 E qual foi a solução? Responder com um diplomático "não compreendo as palavras do PR". A isto chama-se sair pela tangente.

 

 Volto a dizer que Fernada Câncio tem toda a legitimidade de, como jornalista, ir à televisão dizer a sua opinião. Se tantos jornalistas o fazem porque ela também não faria? Se até os poltícos estão na televisão a comentar (Marcelo Rebelo de Sousa, António Vitorino, Pacheco Pereira, António Costa), apesar de estes serem membros de partidos e deles não se poder esperar uma total isenção, coisa esta que se espera de um jornalista, porque ela não o faria também? Mas neste caso acho que o melhor que ela deveria ter feito era ter recusado logo de entrada o convite para comentar na TVI, principalmente devido à sua ligação com o PM. Assim evitava ter de ouvir de José Eduardo Moniz que a sua "contratação" foi " um erro de casting".

 


Coitada da Fernanda Câncio. Teve o azar de se apaixonar por José Sócrates. E por isso, já não pode fazer nada da vida?
Simão Martins a 24 de Abril de 2009 às 09:21

Ler
pesquisar neste blog
 
arquivos
blogs SAPO