16
Jul 09
publicado por Alexandre Veloso, às 19:01link do post | comentar

 

 

 

Como podemos definir a proposta de Alberto João Jardim de numa futura revisão constitucional ilegalizar o PCP?

 

Talvez como RIDÍCULA, porque Portugal é um país livre e democrático e em países livres e democráticos não se proíbem partidos políticos de existirem. O mais irónico é que esta é uma prática corrente nos regimes comunistas que ainda sobrevivem (China, Cuba, Coreia do Norte)!

 

O Partido Comunista pode ter ideias e ideais ainda muito ligados ao passado ter ainda o sangue marxista-leninista a correr-lhe nas veias, mas isso não é razão para de repente querer ilegalizá-lo. Se em outros países os partidos comunistas não tem relevância é porque simplesmente não existem pessoas que queiram votar neles, o que não é o caso em Portugal, onde o PCP tem sempre votações que rondam as casa dos dez por cento, seja em legislativas ou europeias, possui um grande número de presidentes de câmara e tem uma grande base de apoio.

 

Mesmo sem nenhuma hipótese de algum dia chegar ao Governo, o PCP tem o direito de existir, porque simplesmente existem ainda milhares de pessoas que nele votam e que nele acreditam. Ilegalizar partidos em Portugal é típico do período do Estado Novo. A ideia de ilegalizar um partido político em pleno século XXI é tão ridícula que parece saída dos momentos mais quentes do PREC, no ido verão de 1975.

 

Só lamento é que a direcção nacional do PSD não se tenha ainda demarcado de ideia tão estapafúrdia, que só poderia mesmo ter saído da cabeça de Alberto João Jardim.


Ler
pesquisar neste blog
 
arquivos
blogs SAPO